Dicas para as mamães de primeira viagem

  • A primeira dica para as mamães de primeira viagem é. Quando forem retirar o seio,

faça isso de forma GRADUAL, jamais de um dia para o outro!

 

  • A segunda dica é que a noite, desde quando o bebê chega no lar, é melhor acostumá-lo a dormir no escuro.

 

  • A terceira dica para as mamães de primeira viagem é que é necessário e melhor para o seu bebê

que ele durma num quarto separado. A ciência e a experiência de Pediatras, Médicos, Psicólogos e experiências práticas

demonstram que isso contribui para a formação da personalidade do bebê e defini melhor o papel de pai, mãe e filho.

 

  • A quarta dica é para os pais. Brinque com seu filho!

 

  • A quinta dica é para as mamães. Se seu filho é forte e saudável, não é necessário dormir grudada nele!

 

  • A sexta dica serve para o casal, vocês dois não podem perder a privacidade e intimidade, por isso seu bebê não pode ficar entre vocês durante as noites.

Num primeiro momento que o bebê chega no lar, se quiser deixá-lo no mesmo quarto está ok, mas jamais faça

cama compartilhada e não deixe que o bebê fique no mesmo quarto por mais de 6 meses

 

A mamãe de primeira viagem deve saber impor limites

A imposição de limites já se inicia através da amamentação, significa que deve haver

horários fixos para isso e o pai deve apoiar a mãe e os dois se entenderem.

Seu bebê precisa de uma rotina diária, não deixe que o dia a dia dele seja uma bagunça, podendo haver uma leve flexibilidade

em relação a isso, ou seja, as vezes nos finais de semana ou nas férias pode deixá-lo mais livre para fazer o que quiser.

 

Um outro erro gravíssimo cometido é a repetição da negação, “NÃO”, pelos pais e mães.

Este é um veneno aos pequenos, não repita a palavra não, ao invés disso mostra o que deve ser feito, através de

comandos CLAROS, SINCEROS E AMOROSOS.

 

Por exemplo: ao invés de dizer “Filha, quantas vezes eu já falei, não poder fazer bagunça aqui!”

Diga: “Filha, fique sentadinha ali, e desenhe um avião nessa folha de papel, pegue essa caneta aqui.”

 

A repetição da palavra negativa durante alguns anos é um veneno que irá doer no futuro pois

debilita e estraga o emocional do seu filho(a).

 

Elogios são uma benção, validar o seu filho(a), faz ele sentir valor próprio, faz dele alguém com maiores chances

de vencer na vida no futuro.

 

Um beijão!

O relacionamento conjugal e a transição do bebê

A manutenção do relacionamento conjugal

e a retirada do bebê do quarto do casal

Assim que o bebê chega no lar, ele já deve ter um quarto separado, isso é fundamental para que tudo dê certo,

por que, uma vez que o quarto já esteja pronto, será possível que a mãe e o pai passem tempo

com o bebê lá, já acostumando ele ao quarto separado, contribuindo também para o relacionamento conjugal.

 

Não é obrigado o bebê já ficar no quarto separado nas primeiras semanas que chega em casa, porém quanto antes educá-lo para

dormir em um quarto separado, melhor para o casal e para o bebê.

 

DE JEITO ALGUM O BEBÊ PODE FICAR NA MESMA CAMA QUE OS PAIS

 

Instituições como a Sociedade Americana e Brasileira de Pediatria recomendam não praticar o quarto compartilhado, menos ainda a cama.

 

-Com a primeira condição cumprida (quarto do bebê pronto), agora é hora de por em prática as próximas exigências.

 

Mães, 99% dos casos, em que ha complicações no início de vida dos bebês, as “culpadas” são vocês e os cúmplices, os Pais.

 

-Portanto não é “somente o bebê que precisa entender” que o seu quarto não é o quarto dos pais.

 

A mães e os pais que precisam compreender que o quarto do bebê não é o quarto deles,

 

vocês devem aceitar isso e deixar o bebê ter a oportunidade de se desenvolver de forma saudável.

 

-Diante dessa aceitação e o fato de existir um quarto para o bebê, tudo já é direcionado para uma educação correta, com imposição de limites

 

-A mãe e o pai que se encontram nessas condições enxergam e sentem esse bebê

 

como “independente” e não como um ser frágil e incapaz.

 

-Até aqui, temos um ambiente normal, como deveria ser em todas as famílias, um ambiente que permite o desenvolvimento sadio do bebê

 

e ao mesmo tempo promove a manutenção do relacionamento conjugal, privacidade e intimidade.

 

As condições até agora são:

*Quarto separado antes da chegada do bebê;

*Compreensão da mãe e do pai que o bebê não pertence ao quarto deles e não deve exercer nenhuma função no meio do casal;

*Mãe e Pai enxergam o bebê como “independente” na questão do dormir sozinho;

*Convivência e um ambiente adequado ao bebê para se desenvolver de forma saudável, imposição de limites automaticamente;

*Manutenção do relacionamento conjugal, privacidade e intimidade Ok.

 

Tudo isso é um caminho percorrido que só é possível, se lá no início de tudo (gestação) havia informação de qualidade

e as instruções corretas para esse pai e essa mãe.

Somente assim haveria um esforço no sentido de já deixar pronto

um quarto separado para esse bebê que desencadearia todas as próximos ações, sentimentos do pai e da mãe,

possibilitando o desenvolvimento saudável do bebê e a manutenção do relacionamento conjugal.

relacionamento conjugal

 

 

HARMONIA E DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL FAMILIAR, GERADO A PARTIR DE INFORMAÇÃO, ATITUDE E ACEITAÇÃO DO QUE

PRECISA SER FEITO POR QUE É O MELHOR PARA TODOS!